arquitetar

"Procurar as orgânicas,os movimentos espontâneos,isto é, compreender a natureza para depois demarcar na geografia.A construção também tem que ser uma desconstrução.É necessário reflectir e inflectir.Procurar estar na essência da geometria.Resolver, encontrar o arco, ligar dois pontos, enfrentar um projeto e uma ideia, empreender uma lógica, um mundo."

quinta-feira, 16 de agosto de 2018

Design da Natureza por Marlem Vilela


O arquiteto Marlem Vilela  nos mostra seu lado "Artesão", interessado em experimentar todos os processos, em desvendar todos os segredos do ofício, e o arquiteto, é capaz de infundir um sentido poético no que poderia ser um simples virtuosismo exercício"técnico".


"Trabalhar com a madeira é dar forma á vida; é transformar matéria bruta em poesia.
Tenho uma necessidade visceral de estar com as maquinas. É lá que o meu processo criativo se desenrola o tempo todo, nestes momentos entre o desenho e o objeto." diz o arquiteto.





Bool Pixes - Madeira Jacarandá






quarta-feira, 6 de junho de 2018

Casa do Artista | Felipe Morozini São Paulo

              Ele é formado em direito – trabalhou na área por um tempo, mas seguiu por outros rumos. Decidiu, então, clicar o cotidiano, criar cenários, viajar por aí e transformar peças sem vida em móveis que de tanta personalidade só faltam falar. Felipe Morozini prefere fugir dos rótulos, é apaixonado por cores, ama macacos e sonha em ter um programa de rádio todas as manhãs (desde que seja logo depois de acordar. “Gosto da minha voz só nesse período do dia”, brinca.) Ele acumula as funções de fotógrafo, ex-advogado, designer, bom de papo e futuro locutor. Fica difícil encontrar uma definição com menos de uma linha para um profissional com tantas habilidades.
O paulistano pensativo trocou as leis pela liberdade de criar. A realidade pela imaginação. E como gosta de imaginar… Felipe consegue ver formas, cores e movimentos nas coisas mais simples da vida. É aquele profissional que tem atitudes inimagináveis, como pintar a cidade de São Paulo com canetinha, desenhar flores em um viaduto cinzento e espalhar recados que levam à reflexão em meio aos caos de uma metrópole. Mas uma de suas maiores façanhas foi levar tudo isso para dentro de casa. Em seu lar-doce-lar, localizado no centro da capital paulista, ele conseguiu misturar cores, luzes, diferentes épocas e a essência da cidade que não para. A atmosfera lúdica toma conta e apenas chega ao fim na placa de “Pare” colocada na varanda. Dali para baixo, o sonho sai de cena e dá lugar à realidade de São Paulo.





















                             (clube Jerome-São Paulo)


terça-feira, 29 de maio de 2018

Recuperção e Intervenção Urbana - Bairro São Pedro - Arquiteto Marlem Vilela - Fama Minas Gerais





 


                      As praças, ao longo dos tempos, levando-se em conta os diversos aspectos que as envolvem, como definição, funções, usos e concepções, sofreram significativas mudanças. Todavia, é consenso que, a despeito das transformações impostas pelo tempo, às praças ainda representam um espaço público de grande importância no cotidiano urbano. Diante disso, o presente trabalho teve por objetivo a realização de uma revisão no conceito das áreas verdes na cidade de Fama, acerca da importância e das principais funções que elas exercem no contexto Urbano. Tal conhecimento é primordial para a preservação e valorização destas áreas, que costumam ter importância vital para a dinâmica da cidade. Hoje estes espaços que deveriam estar em primeira ordem do planejamento urbano, visando a recreação na sua suprema função, estão sem uso, sem vitalidade.
As Áreas Verdes são  espaços de reuniões, construído para e pela sociedade, imbuída de significados, marcos centrais da constituição de trajetos, ponto de chegada e partida, concentração e dispersão. Consiste em espaço para estabelecer relações sociais e é palco representativo da dimensão cultural e histórica da cidade, além de abrigar, frequentemente, este convívio social.
 Os benefícios trazidos pelas praças públicas decorrem tanto da vegetação que pode ser abrigada por elas, quanto de aspectos subjetivos relacionados à sua existência, como a influência positiva no psicológico da população, proporcionada pelo contato com a área verde e/ou pelo uso do espaço para o convívio social.  A vegetação urbana atua ainda, de forma direta, no conforto ambiental. Dentre as vantagens proporcionadas pelo uso da vegetação, detacam-se:
- melhoria microclimática – interceptação da radiação solar; efeito sobre a umidade do ar e sobre o ciclo hidrológico das cidades; e diminuição da velocidade dos ventos; - ação contra a poluição pela retenção de partículas poluidoras;
- contribuição para o conforto lumínico – proporcionam sombra e atuam como barreiras contra o ofuscamento das luzes;
- barreira acústica – quando a vegetação utilizada for densa. Além destas vantagens diretas, a vegetação atua beneficamente na sensação de bem estar e na qualidade de vida daqueles que desfrutam do ambiente coberto por espécies vegetais. Pode-se classificar os valores atribuídos às praças em três categorias: valores ambientais, valores funcionais e valores estéticos.
 Enfim, tanto em tempos remotos quanto na atualidade, fica claro que as praças desempenham importante papel como espaço democrático, de uso comum, palco de decisões e local de convívio e lazer de toda comunidade. Conhecer a importância, os usos e funções destas áreas é essencial para a valorização e preservação das praças públicas, especialmente numa época em que a preocupação global volta-se para o meio ambiente, a sustentabilidade e a qualidade de vida da população.
O projeto, foi idealizado então aos interesses sociais deste bairro carente de Fama, para requalificação de uma área próxima as margens do lago de furnas, que se encontra degradada  devido á falta de infraestrutura e planejamento urbano. Assim o projeto visa trazer a população da cidade, uma melhor qualidade de vida, no uso deste espaço.